2110-ivc-eucaminhoneiro

A profissão de caminhoneiro pode oferecer riscos à saúde do motorista por favorecer a adoção de um estilo de vida nada saudável. As doenças mais comuns na categoria estão relacionadas, principalmente, a fatores como o sedentarismo, hábitos alimentares, uso de álcool ou outras substâncias prejudiciais.

Um estudo feito em 2014 reúne informações sobre os hábitos e os problemas de saúde comuns em caminhoneiros e profissionais das estradas. No artigo de hoje, mostraremos 5 deles e como evitá-los. Veja e previna-se!

Sobrepeso e obesidade

É comum que os caminhoneiros, principalmente os que realizam rotas longas, façam refeições em restaurantes à beira da estrada. Nesses locais, não é difícil encontrar alimentos gordurosos e com alto valor calórico.

A maioria dos caminhoneiros apresenta índices de massa corporal acima do considerado ideal, sendo que 50% são considerados obesos. A sensação de desconforto é comum para esse tipo de profissional, assim como a má digestão.

Hipertensão

Relacionada à má alimentação, ao sedentarismo e ao tabagismo, a pressão alta é um sintoma comum em caminhoneiros, podendo atingir mais de 40% deles. Pior ainda, muitos desconhecem o problema, já que a hipertensão é uma doença silenciosa. Muitos dos que estão cientes da situação não se tratam corretamente, elevando os riscos de doenças cardiovasculares graves.

Níveis ruins de colesterol e triglicérides

Dislipidemias são doenças relacionadas à elevação da quantidade de colesterol ou gorduras no sangue. Elas aumentam o risco de aterosclerose e AVC, ataques cardíacos e outros problemas circulatórios. Essas doenças estão ligadas ao sedentarismo, à obesidade e a dietas não saudáveis e incidem com mais frequência em fumantes. Entre os caminhoneiros, mais de 40% apresentam colesterol alto e quase 30% mostram níveis elevados de triglicerídeos.

Doenças infectocontagiosas como HIV/AIDS e hepatite B

A AIDS é causada pelo vírus HIV e traz danos ao sistema imunológico, diminuindo a capacidade do corpo para combater doenças. Hoje ela é tratada como doença com caráter de cronicidade, necessitando avaliação e acompanhamento constantes.

Já hepatite diz respeito a toda e qualquer inflamação do fígado. Ela pode ser adquirida de diversas maneiras, como vírus, bactérias, distúrbios de imunidade, do metabolismo, ou mesmo por substâncias tóxicas, como o álcool.

A incidência dessas doenças nos caminhoneiros, além de outros tipos de DSTs, está ligada a hábitos considerados comuns nessa população, como o sexo sem preservativos ou a multiplicidade de parceiras.

Como vimos, existem diversos problemas de saúde comuns em caminhoneiros. Essa vulnerabilidade está ligada ao tempo que o profissional permanece longe de casa, associada à cultura inerente à categoria. É comum observar diversos hábitos de vida nocivos à saúde, como alimentação irregular, sedentarismo, descanso insuficiente, exposição a doenças transmissíveis, alcoolismo, tabagismo e uso de drogas.

Para diminuir os riscos, o primeiro passo que o caminhoneiro deve assumir é procurar auxílio médico para realizar exames. Com um diagnóstico da situação em mãos, é preciso saber quais cuidados imediatos devem ser tomados e quais hábitos devem ser mudados.

Informar-se é muito importante para prevenir-se e manter a saúde em dia. Com a saúde em dia, o caminhoneiro fica mais produtivo e mantém sua empregabilidade. Se você achou nosso artigo útil, não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais e ajudar os seus colegas de profissão!

Deixe um comentário